Centro de Competência Nónio da Beira Interior  

<<  Sexualidade

Aborto


O que é o aborto?

O aborto é a expulsão do feto ainda não apto para viver.

Em que consiste o aborto?
O aborto consiste na interrupção da gravidez. O aborto pode ser espontâneo ou provocado.


O aborto espontâneo:

O aborto espontâneo é a perda acidental de um embrião ou feto antes das 28 semanas. Cerca de uma gravidez em cada 6 confirmadas terminam em aborto espontâneo. Quando a gravidez ultrapassa as 12 semanas, as hipóteses de um aborto espontâneo são poucas.

O feto pára de crescer e é expelido do corpo da mãe. Nomeadamente serão causas de aborto espontâneo as seguintes situações:

1) Antes de a gravidez ser evidente: anomalias fetais e fase lútea insuficiente;

2) Gravidez ectópica;

3) No primeiro trimestre aparecem anomalias e factores imunológicos;

4) No segundo trimestre: defeitos do útero, presença de tumores no útero e incompetência do cérvix;

5) No terceiro trimestre: desequilíbrio das hormonas;

6) Doenças maternas como, por exemplo, hipertensão, cardiopatia, lúpus, diabetes, hipotiroidismo e hipertiroidismo;

7) Causas de alteração fetais ou embrionárias: alteração durante a gravidez provocada por factores exteriores (nomeadamente exposição a toxinas ambientais, a fármacos, a hormonas, a infecções, ao tabaco e desnutrição materna).

Para prevenir o aborto espontâneo dever-se-á, ainda antes da gravidez, tomar alguns cuidados, como: vacinação, erradicação de drogas e controlo das restantes causas referidas anteriormente.

O aborto provocado:

Noutros casos como no aborto provocado é importante salientar que nem sempre o aborto provocado é assistido medicamente, sendo de considerar que:

Neste momento não existem substâncias que tomadas oralmente provoquem um aborto seguro (levam ás vezes à morte, infertilidade e malformações do bébé);

Banhos quentes, bebidas alcoólicas em excesso, saltos e quedas de grande altura, podem levar ao aborto espontâneo;

Objectos pontiagudos ao serem introduzidos na vagina podem provocar um aborto, hemorragias e podem também levar á morte;

Um aborto provocado é na realidade uma aspiração do feto e da placenta, é normal a ocorrência de hemorragias e dores abdominais após esta intervenção.

Esta intervenção só será totalmente segura se tiver equipamento adequado e pessoal médico. Sem equipamento e o pessoal médico, a intervenção pode por a vida da mulher em risco.


Em Portugal o aborto é ilegal, mas pode ser concedido se for aborto provocado medicamente assistido legalmente até a vigésima quarta semana de gravidez, apenas nas situações teropêuticas previstas na lei: doenças crónicas da mãe (coração, rins, cancro...), malformações fetais (por exemplo, anencefalia), anomalias graves ou ainda no caso de a gravidez ter contraído rubéola ou ser portadora do vírus de SIDA. Em caso de violação também está previsto na lei o aborto medicamente assistido, até às dezasseis semanas, de acordo com o previsto nos artigos 140º a 142º do código penal.


Aborto por operação cesariana

O aborto por cesariana é exactamente igual a uma operação cesariana, até ao momento de ser cortado o cordão umbilical.

Aborto por dilatação do corte

O aborto por dilatação e corte é o usado entre o mês e meio e os três meses. Utiliza-se uma faca em forma de foice, com a qual se chega ao útero, através da vagina. O corpo é assim cortado em pedaços, separando e raspando a placenta das paredes internas do útero. Geralmente, há uma grande hemorragia.

Um dos trabalhos posteriores é juntar os pedaços para se certificar de que nada ficou no útero, a fim de evitar hemorragias ou infecções.



Aborto por aspiração às 10 semanas

Mais de 75% de todos os abortos feitos no Canadá e nos Estados Unidos são feitos por este método. É semelhante ao método por dilatação do corte, simplesmente, em vez de o bébé ser cortado, é aspirado com um potente tubo aspirador. O corpo do bébé em desenvolvimento e a placenta ficam despedaçados e estes “produtos da gravidez” são aspirados para um jarro.

Algumas vezes, podem-se identificar as mais pequenas partes do corpo.

Tratamento Ortodoxo:

Logo após um aborto espontâneo deve-se prosseguir com um tratamento:

Dilatação e curetagem para prevenir infecções.

Antibióticos para evitar uma infecção.

Após aborto espontâneo recorrente (ou seja pelo menos 3 abortos seguidos), devem:

Fazer um check-up completo (a mulher e o parceiro).


Fazer programas de desintoxicação nutricional pré-concepcionais.

Ter um aconselhamento.


O aborto é mais um meio da regulação da natalidade?

Não. O aborto nunca poderia ser um meio de regulação de natalidade. As pessoas fazem abortos apenas por se sentirem inseguras, com medo, por terem doenças com que os filhos provavelmente nasceriam, por serem gravidezes indesejadas.

Por adamantium em 6/Maio/2005

© Centro de Competência Nónio da Beira Interior 2006 | ccbi.crie@gmail.com

Ministério da Educação Direcção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular CRIE - Equipa de Missão Computadores, Redes e Internet na Escola