Centro de Competência Nónio da Beira Interior  
Login
Username:
Password:
Novo registo
Se ainda não está registado registe-se no portal.
Para recuperar password esquecida

Quero informações sobre...
 

Dossiês Temáticos: Consultar dossiê

CONSELHO PEDAGÓGICO
ÓRGÃO DE COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DO AGRUPAMENTO
Acta do CP de o4 de Setembro

 

ACTA DO CONSELHO  PEDAGÓGICO

 

04 DE SETEMBRO DE 2008

 

 

 

            Aos quatro dias do mês de Setembro de dois mil e oito, pelas dez horas, na sala de Informática desta Escola, reuniu o Conselho Pedagógico do Agrupamento de Escolas de Entre Ribeiras – Paul, sob a presidência do Professor Vítor Manuel Reis Silva, e secretariado por Joaquim Garcia, coordenador do Departamento de Línguas.

Estiveram presentes todos os seus membros, com excepção do Professor Florentino Ramos, Representante dos Projectos de Desenvolvimento, por se encontrar em formação na área da Avaliação do Pessoal Docente; da Senhora D. Florinda Cipriano, que se encontra em gozo de férias, e do Senhor António José Duarte, Representantes do Pessoal Não Docente, e das Senhoras D. Cecília Diogo e Matilde Sobreiro, Representantes da Associação de Pais e Encarregados de Educação.

A Ordem de Trabalhos para a reunião foi a seguinte:

 

1 – ANTES DA ORDEM DO DIA

1.1                    – Informações

2  – ORDEM DO DIA

2.1              – Regimento de Funcionamento do Conselho Pedagógico

2.2              – Organização do ano lectivo

2.2.1        – Rede Escolar homologada pela DREC

2.2.2        – Currículo do 2º Ciclo – desdobramento a CN

2.2.3        – Oferta da Escola nas Áreas Artísticas e na Área Curricular das Línguas

2.2.4        – Projectos, Complementos Curriculares, AEC e CAF

2.2.5        – Escolas, Áreas curriculares e Serviços com carência de docentes

2.2.6        – Critérios de Avaliação

2.3              – Área de Projecto – Tema a desenvolver

2.4              – Plano de Actividades do Agrupamento

2.4.1        – Modelo de Plano e sua interligação com o Projecto Educativo e os PCT

2.4.2        – Contributos da Comunidade Escolar

2.4.3        – Recepção dos Alunos e Enc. de Educação – 1º Dia de aulas – 15 de Setembro

2.4.4        – Avaliação de Desempenho dos Docentes – Calendário

2.4.4.1 – Definição dos objectivos e metas a atingir por área curricular para o ano 2008 - 2009

 

1.1– Informações

ð Formação Contínua em Ensino Experimental das Ciências 2008/2009 – Inscrições

Não se registaram inscrições ao nível do 1ºCEB na referida área, pelo facto de existir no Agrupamento um formador residente para a área de Língua Portuguesa, não havendo desta forma possibilidade de frequência por parte dos formandos no Ensino Experimental das Ciências.

ð Manuais Escolares

 

Foram registados no site da DGDIC e afixados nos vários estabelecimentos de ensino os manuais escolares para o ano lectivo 2008/2009.

ð Alunos Deficientes Integrados no Ensino Regular – Transferência – ASE

Foi recebida a verba de €1000,00, destinada a alunos deficientes integrados no ensino regular. Esta verba foi atribuída para pagamento do transporte aos alunos que utilizaram a Unidade de Multideficiência.

ð Plano de Actividades da IGE – Intervenção Inspectiva – Organização do Ano Lectivo 2008-2009

A IGE enviou um ofício solicitando o preenchimento dos mapas sobre a constituição de grupos/turmas e a distribuição de serviço docente para o ano lectivo 2008/2009.

A actividade de controlo da preparação do ano lectivo decorrerá entre 15 de Setembro e 31 de Outubro.

ð Convite do Serrashopping

O Centro Comercial “Serrashopping” enviou um convite para participação na “Semana de Educação”, que irá decorrer entre 20 e 26 de Outubro.

ð Transição para a nova estrutura da Carreira Docente

Foi afixada na sala de professores e enviada a todos os estabelecimentos de ensino do Agrupamento a lista dos docentes com a sua integração nas novas carreiras, de acordo com o DL nº 15/2007, para efeitos  de verificação e eventual reclamação.

 

ð Exportação de dados de alunos – ano lectivo 2008/2009 – Oficio Circular MISI – 02/2008

 

Esta circular informa que o ME necessita de saber o número de alunos matriculados nas escolas públicas para o ano lectivo de 2008/2009 para efeitos da iniciativa eEscola, que no presente ano lectivo se alarga aos alunos dos 7º, 8º e 9º anos, e disponibilização dos códigos de validação no inicio do ano lectivo. Os dados são ainda necessários para efeitos do Instituto de Segurança Social, ou seja, Prova Escolar para o Abono de Família exigida aos alunos a partir dos 16 anos.

A MISI antecipa, desta forma, para 10 de Setembro de 2008, o prazo de envio do ficheiro relativo ao início do ano lectivo de 2008/2009, e refere as datas a respeitar no próximo ano lectivo. A circular seguiu para a CSAE, para os efeitos nela referidos.

ð Distribuição de Verba – Actividade 199 – Unidade de Apoio a Alunos com Multideficiência

O GGF informou que foi autorizada a distribuição da verba de 900 € para suporte de encargos com o funcionamento da Unidade de Apoio (despesas correntes). A verba deverá ser utilizada até final do ano económico e poderá sê-lo em despesas de capital, com comunicação ao GGF. Aquele valor foi atribuído pela DGIDC.

Do conteúdo do ofício foi dado conhecimento ao Conselho Administrativo e SEAE (Sr.ª Coordenadora - Prof. Lurdes Ferreira) para efeitos da sua utilização.

 

ð Distribuição de Verba – Segurança de Instalações

Face aos problemas existentes na rede exterior de água, nomeadamente quanto às torneiras de segurança e bocas de incêndio exteriores, a DREC informou que propôs ao GGF a atribuição da verba de 2.000 € para a intervenção na rede exterior de água, de acordo com o nosso ofício nº 270, de 28 de Janeiro de 2008. Posteriormente, o GGF comunicou a disponibilidade daquela verba.

ð Designação de representantes do Município no Conselho Geral Transitório

Através do Ofício-Circular nº 818, de 06-08-2008, a Câmara Municipal da Covilhã indicou os seus representantes para aquele Conselho. Da circular foi dado conhecimento à Srª Presidente da Assembleia de Escola.

ð Semana Objectivo 2015 AVEIRO ‘ 08

No âmbito da Declaração do Milénio, adoptada pela Assembleia-geral das Nações Unidas, foram aprovados os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio a serem atingidos num prazo de 15 anos, nomeadamente: Erradicar a pobreza extrema e a fome; Alcançar a educação primária universal; Promover a igualdade do género e capacitar as mulheres; Reduzir a mortalidade infantil; Melhorar a Saúde Materna; Combater o HIV/SIDA, a malária e outras doenças; Assegurar a sustentabilidade ambiental e Desenvolver uma parceria global para o desenvolvimento.

É afirmado no manifesto que nos foi enviado, via DREC, que “ pela primeira vez na História da Humanidade, é possível o fim da pobreza. Nunca no mundo houve um período de tanta abundância, de tanta técnica e tecnologia ao serviço das pessoas, nunca a ciência médica foi tão avançada, nunca houve tanta abundância alimentar. É tudo uma questão de equilíbrio. Hoje temos os métodos, as ferramentas e o saber fazer necessários para atingir estes oito objectivos. Não podemos ser a geração que fracassou o possível”.

A Semana acima referida é promovida pela ORBIS – Cooperação e Desenvolvimento e pela Câmara Municipal de Aveiro. Propõem a participação activa das escolas nas actividades daquela semana através da concepção de trabalhos para a exposição “O mundo como ele é” nas várias disciplinas, em especial, nas de Artes, Ciências Sociais e Humanas, NACs, Clubes de Cidadania, de Direitos Humanos, etc.

O documento foi enviado para o Conselho Pedagógico e para os Departamentos de Ciências Sociais e Humanas e de Expressões.

O Conselho Executivo considera pertinente e de extrema importância o tratamento das temáticas propostas, já que as mesmas se inserem em diferentes objectivos do nosso Projecto Educativo.

Deverá o Conselho Pedagógico sublinhar e apelar aos seus membros a divulgação e a promoção das propostas de participação da escola inserindo-as nos PCT.

ð Plano Tecnológico da Educação

A DREC informa que o PTE – eixo da Tecnologia – está a entrar na fase de implementação nas escolas e que, nos próximos meses, as mesmas poderão ser contactadas pelas empresas a quem foi adjudicado o fornecimento de bens e serviços para, em articulação com o órgão de gestão, operacionalizar a instalação dos equipamentos.

ð Centro de Ciência Viva da Floresta (Proença – a – Nova)

Envia, com a data de 29 de Agosto, o Guia de Programas Escolares, no âmbito da Educação Ambiental, para a eventual organização de visitas de estudo a incluir no PA/PCT. Informa, ainda, dos contactos a utilizar: Telef. 274 670 220; Fax nº 274 670 220; email – info@floresta.cienciaviva.pt  e o sítio www.floresta.cienciaviva.pt

ð Naturtejo – Programas Educativos

No âmbito das suas actividades, a Naturtejo promove programas educativos interdisciplinares que abordam temáticas enquadráveis nos programas do 3º Ciclo do Ensino Básico das disciplinas de Ciências Naturais, Educação Física, História bem como do 1º Ciclo (Estudo do Meio). Contactos: Telef. 272 320 176; fax nº 272 320 137; email -  geral@naturtejo.com  e o sítio www.naturtejo.com  .

É de realçar que a Educação Ambiental é parte integrante do nosso Projecto Educativo e Plano de Actividades.

ð PNL – Um livro novo para cada leitor

O ME oferece livros para os alunos que irão iniciar o seu percurso escolar. Os livros já foram recebidos e distribuídos pelos estabelecimentos de ensino e docentes que irão leccionar o 1º ano de escolaridade.

ð Desporto Escolar

Pelo Fax nº 261, de 20 de Agosto, recebemos a aprovação do Projecto Final do Clube de Desporto Escolar de 2008/2009. O apoio é prioritariamente para transportes e o crédito atribuído é de 16 Horas.

ð Pedido de pólo de Estágio para a Licenciatura em Psicologia pelo ISEIT/Viseu

Face à solicitação do ISEIT/Viseu, de 04 de Agosto, decidiu o Conselho Executivo informar aquela Instituição do interesse na criação, neste agrupamento, de um pólo de estágio no âmbito da licenciatura em psicologia.

ð Formação de Pessoal Não Docente para Cursos da Unidade de Apoio de Ensino especializado

A DGRHE está a promover acções de formação para pessoal não docente (do quadro ou com

contrato por tempo indeterminado) para as unidades de apoio à deficiência. As acções irão ter lugar, no nosso Distrito, em Setembro, no Centro de Formação de Associação de Escolas de Castelo Branco. Da nossa escola foram indicadas as AAE Maria Raquel A. S. Tourais e Carla Isabel Almeida Martins.

LEGISLAÇÃO

ð Despacho nº 18362/2008, de 9 de Julho

Aprova o Regulamento que define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional Potencial Humano (POPH) no âmbito da formação para a inclusão. São destinatários das acções pessoas com particulares dificuldades de acesso ao sistema de ensino/formação, de meios desfavorecidos, de famílias desestruturadas e pertencentes a grupos excluídos e ou desfavorecidos (artigo 5º).

ð Despacho nº 18365/2008, de 9 de Julho

Aprova o regulamento que define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional Potencial Humano (POPH) no âmbito das intervenções integradas de promoção do sucesso educativo.

Ao nível territorial a Região Centro está incluída.

O programa visa melhorar os resultados escolares dos alunos, combater o abandono escolar, coordenar actividades educativas e formativas com a comunidade, criar condições de adequação do processo educativo às necessidades educativas especiais dos alunos, promover o sucesso dos alunos da “Escola móvel”, favorecer a transição da escola para a vida activa.

As acções e os destinatários são indicados nos artigos 4º e 5º, respectivamente.

Os Agrupamentos de escolas são entidades beneficiárias dos apoios (artigo 7º). As candidaturas são apresentadas na sequência de abertura de procedimento no site do POPH, devendo ser apresentadas através do SIIFSE (Sistema Integrado de Informação do Fundo Social Europeu), com o endereço http://siifse.igfse.pt .

 

ð Decreto – Lei nº 124/2008, de 15 de Julho

Este DL estabelece as condições de colocação em situação de mobilidade especial, regulada pela Lei nº 53/2006, de 7 de Dezembro, dos docentes declarados incapazes para o exercício das suas funções, mas aptos para o desempenho de outras.

ð Despacho nº 19117/2008, de 17 de Julho

Este Despacho altera vários artigos do Despacho nº 13599/2006, de 18 de Junho, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho nº 17860/2007, de 13 de Agosto.

Na parte final é republicado o Despacho nº 13599/2006, de 28 de Junho, alterado pelo despacho nº 17860/2007, de 13 de Agosto, com a nova redacção resultante do presente despacho, estabelecendo-se regras e princípios orientadores a observar, em cada ano lectivo, na elaboração do horário semanal do trabalho do pessoal docente, bem como na distribuição do serviço docente correspondente.

ð Despacho nº 19308/2008, de 21 de Julho

Distribui o serviço docente nas áreas curriculares disciplinares ao nível do 2º ciclo e identifica algumas das actividades a desenvolver no âmbito das Áreas Curriculares Não Disciplinares.

ð Decreto – Lei nº 144/2008, de 28 de Julho

Transferência de competências para o Município em matéria de educação (Instalações e pessoal não docente).

ð Decreto Regulamentar nº 14/2008, de 31 de Julho

Define os níveis remuneratórios dos trabalhadores da função pública.

ð Portarias nº 730 a 732 / 08, de 11 de Agosto

Portarias referentes à implementação do Plano Tecnológico da Educação.

ð Despacho nº 20956/2008, de 11 de Agosto

Regula as condições de aplicação das medidas de Acção Social Escolar, da responsabilidade do Ministério da Educação.

 

ð Conselho de Directores de Turma

 

O Conselho de Directores de Turma irá reunir, tendo como proposta-base para as reuniões dos Conselhos de Turma os seguintes assuntos:

1 – Informações

2 - PCT

2.1 – Caracterização da Turma

2.2 – Currículo das Disciplinas

2.3 – Articulação Curricular

2.4 – Procedimentos comportamentais comuns dos docentes

2.4 – Actividades de complemento a desenvolver com a turma, específicas e do PAA

3 – Outros assuntos

 

Assim, interessa que, em cada Departamento, se trate dos currículos a entregar aos Encarregados de Educação e da articulação curricular/articulação horizontal.

 

ð Conselho Geral Transitório

Encontra-se marcado o acto de eleição do pessoal docente e não docente para aquele Conselho, em 30 de Setembro. O calendário eleitoral já se encontra afixado.

 

 

2– ORDEM DO DIA

 

2.1– Regimento de Funcionamento do Conselho Pedagógico

 

Após análise do Regimento em vigor e face ao disposto no Decreto – Lei nº 75/2008, de 22 de Abril e à aprovação na generalidade do Regulamento Interno do Agrupamento, em 15 de Julho, verificou-se existirem alterações, que obrigam a uma reformulação substancial do Regimento de Funcionamento do Conselho Pedagógico a vários níveis, como a Composição, Designação dos representantes e Competências, entre outros. Assim, propõe o Presidente do Conselho Executivo que o Conselho Pedagógico elabore um novo Regimento, a aprovar na próxima reunião deste Órgão, constituindo-se para o efeito um grupo de trabalho, constituído pelas Coordenadoras da BE/CRE e dos Directores de Turma, professoras Helena Queta e Teresa Proença, respectivamente.

 

 

2.2– Organização do ano lectivo

 

2.2.1– Rede Escolar homologada pela DREC

Para o ano Lectivo 2008/2009 foram homologados os seguintes grupos / turmas:

  Educação Pré-escolar – 8 grupos, num total de 69 alunos;

  1º Ciclo – 14 Turmas, num total de 181 alunos;

  2º Ciclo – 4 turmas do ensino regular e 1 turma de PCA no 5º ano, num total de 88 alunos;

  3º Ciclo – 6 turmas do ensino regular, 1 turma de PCA no 7º ano e duas Turmas de CEF, num total de 134 alunos;

  EFA secundário – 1 turma, num total de 12 alunos.

 

2.2.2– Currículo do 2º Ciclo – desdobramento a CN

 

Irá ser implementado, no presente ano lectivo, o desdobramento das Ciências da Natureza com o Laboratório de Matemática, nas turmas 5ºA, 5ºB e 6º B, reforçando-se, desta forma o PAM no 2º Ciclo. Questionado acerca da não inclusão do 6ºA neste desdobramento, o Presidente do Conselho Executivo informou que a turma em questão não possui o número de alunos necessário (mais de 15) para que o mesmo possa ser levado a cabo.

 

2.2.3– Oferta da Escola nas Áreas Artísticas e na Área Curricular das Línguas

 

Após as matriculas e aquando da formação de turmas verificou-se a inscrição de 10 alunos em Língua Estrangeira – Espanhol.

Levando em conta que a opção já era oferta da escola, aceitaram-se as inscrições e inseriram- -se os alunos na turma do 7º A.

 

 

2.2.4– Projectos, Complementos Curriculares, AEC e CAF

No próximo ano lectivo irão funcionar os seguintes projectos/actividades:

  Plano Nacional de Leitura,

  Plano de Acção da Matemática,

  Actividades de Enriquecimento e Complemento Curricular (AEC, Clube de Música, de Francês, de Matemática)

  Desporto Escolar,

  Componente de Apoio à Família,

  “E.B. 2/3 Ciclos - Um Centro de Recursos e Apoios Educativos”,

  “Educação para a Saúde”

  Laboratório de Matemática em articulação com o desdobramento das Ciências da Natureza do 2º Ciclo.

 

Componente de Apoio à Família na Educação Pré-Escolar e 1º Ciclo

Ao nível da educação pré-escolar, foram enviados à Câmara Municipal os processos de candidatura à frequência na Componente de Apoio à Família para todos os Jardins de Infância do Agrupamento, com excepção dos de Casegas e Barco.

No Barco, esta componente irá ser desenvolvida pela Junta de Freguesia e Pais e Encarregados de Educação. Em Casegas, pelo segundo ano consecutivo, os encarregados de educação não manifestaram interesse na implementação deste serviço, por não existir necessidade.

No âmbito desta componente, foi ainda enviado à Câmara Municipal o ofício n.º 1500, de 30/07/2008, solicitando a cedência de transporte para a deslocação dos alunos do JI do Paul à Escola Sede, para usufruírem do serviço de almoço, a partir de 11 de Setembro de 2008, até 31 de Julho de 2009.

Ao nível do 1º Ciclo, irá funcionar esta componente no 1º Ciclo do Paul das 8h às 9h, sendo a mesma assegurada pelas auxiliares de educação em serviço naquele estabelecimento.

 

Planos de Acompanhamento, de Desenvolvimento e Apoios Pedagógicos Acrescidos

Estão elaboradas as listagens e constituídos os grupos que irão beneficiar de Apoios Específicos Acrescidos e de Tutorias para distribuição pelos docentes e nos horários semanais destes e dos alunos.

Quanto aos Planos de Desenvolvimento, reflectiu-se sobre a necessidade e pertinência da aplicação destes planos a alunos com aproveitamento acima da média. O Conselho Pedagógico concordou com a implementação deste tipo de planos, considerando que a escola pública tende a massificar, não possibilitando o desenvolvimento de certos alunos com mais capacidades e/ou aplicação. Salientou-se ainda o exemplo que estes alunos podem constituir.

Em relação aos Critérios para selecção dos alunos a usufruir desta medida, concluiu-se que os mesmos devem ser claros e objectivos; contudo, e tendo em conta as situações específicas de cada turma, os conselhos de Turma devem debruçar-se sobre o seu próprio contexto e, se for o caso, elaborar os respectivos planos.

 

Funcionamento da Unidade de Apoio à Multideficiência

Alunos com NEEP

Ao longo do ano lectivo foi feita a reestruturação e o enquadramento dos alunos face à publicação do Decreto-Lei n.º 3/2008.

No presente ano lectivo, segundo a informação da Coordenadora dos Serviços Especializados de Apoio Educativo, constam 20 alunos na listagem para Educação Especial.

Seis (6) dos alunos com NEEP frequentam a Unidade de Apoio à Multideficiência, em funcionamento no presente ano lectivo.

Apoio Sócio - Educativo

De acordo o artº 12º do Despacho n.º 13599/2006 de 28 de Junho, com as alterações introduzidas, este Agrupamento dispõe de 34h para apoio sócio - educativo ao 1º Ciclo, sendo o mesmo distribuído da seguinte forma:

  E.B da Barroca Grande – 7h;

  E.B do Paul – 17h;

  E.B da Erada – 5h;

  E.B de Unhais da Serra – 5h.

 

 

2.2.5– Escolas, Áreas curriculares e Serviços com carência de docentes

 

  EB do 1º Ciclo do Paul – 1 docente

  EB do 2º e 3º Ciclos de Paul:

– Grupo 300 (Port) – 11 Horas

- Grupo 350 (Esp) –  03 Horas

- Grupo 420 (Geo) – 11 Horas

- Grupo 510 (FQ)  -  12 Horas

- Grupo 520 (CN)  -  17 Horas

 

  EB do 2º e 3º Ciclos – 1 docente de Educação Especial para a Unidade de Apoio à Multideficiência

 

2.2.6– Critérios de Avaliação

 

Foi analisado o documento aprovado no ano anterior, tendo-se determinado manter a vigência dos critérios de avaliação para o próximo ano: Domínio dos conhecimentos:50%; Domínio das capacidades e competências: 30%; Domínio das atitudes e valores: 20%.

No entanto ressalvou-se que estes critérios são referenciais, podendo os Departamentos reformulá-los, de acordo com as respectivas especificidades. Assim, estes órgãos, bem como os Conselhos de Turma, debruçar-se-ão sobre este assunto, que será objecto de análise no próximo Conselho Pedagógico, podendo eventualmente existir reformulações, decorrentes da análise naqueles órgãos.

 

 

2.3– Área de Projecto – Tema a desenvolver

Ponderou-se sobre a continuidade ou não do tema em vigor nos dois anos anteriores (“Educar para a Cidadania e para a Paz”).

O Conselho Pedagógico, por proposta do seu Presidente, é de opinião que o tema a abordar deve ter como objectivo envolver os EE na Escola (por exemplo, através da leitura, actividades várias ou de projectos com outras temáticas). Devem no entanto ser os alunos a encontrar forma, a ter ideias, para trazer os pais à escola, sugerindo-se como exemplo aproveitar as profissões dos pais, para que se sintam mais úteis e mais envolvidos

Solicitou-se aos Directores de Turma / Professores Titulares de Turma que, nas reuniões de pais de início de ano lectivo, os sensibilizem para uma maior participação na escola.

Irá haver uma reunião com todos os professores com AP, de onde deverá resultar o tema (título). No entanto, uma ideia possível foi já adiantada: “Contributo dos pais para uma escola diferente”.

 

 

2.4– Plano de Actividades do Agrupamento

2.4.1– Modelo de Plano e sua interligação com o Projecto Educativo e os PCT

 

Por proposta do Presidente do Conselho Executivo, a organização do Plano de Actividades do Agrupamento obedecerá, no ano lectivo que agora se inicia, a contornos algo diferentes: com efeito, acrescentou-se uma coluna ao documento: “Objectivos (Projecto Educativo)” – que constituirá a sua “coluna vertebral”. Este processo visa aligeirar e optimizar o próprio documento, estreitando a articulação entre este e o Projecto Educativo, ambos fulcrais para o funcionamento do Agrupamento. Apresentou seguidamente um esboço, que constituirá o início do documento.

2.4.2– Contributos da Comunidade Escolar

 

Estipulou-se que as actividades específicas dos Departamentos serão apresentadas em documento próprio, criado por cada um deles, e anexadas ao Plano de Actividades do Agrupamento; actividades próprias de cada turma devem constar apenas nos respectivos Projectos Curriculares de Turma.

O prazo definido para a apresentação de actividades é 15 de Outubro.

 

2.4.3– Recepção dos Alunos e Enc. de Educação – 1º Dia de aulas – 15 de Setembro

 

A proposta apresentada pelo Órgão de Gestão do Agrupamento foi discutida, tendo sido aprovado o seguinte programa de recepção aos alunos e Encarregados de Educação, que terá lugar no dia 15 de Setembro:

Das 9 H às 10 H – Contacto dos alunos com o horário e seu registo e tratamento de outros assuntos administrativos (ASE e outros)

10 H – Reunião dos Encarregados de Educação e alunos com o Director de Turma. Alguns assuntos a tratar:

- Análise do horário

- Direitos e deveres do aluno

- Novo regime de faltas

- Participação do EE na educação/formação do aluno

- Reuniões mensais/temáticas com os EE

- Eleição dos representantes dos encarregados de educação

- Distribuição do cartão do estudante

- Aulas de apoio, alunos com Plano de Acompanhamento e Apoio Educativo

- Aulas de Substituição

- Currículos da disciplinas

- Critérios de avaliação

12 H – Almoço

13 H – Regresso a casa

 

 

2.4.4– Avaliação de Desempenho dos Docentes – Calendário

 

O Presidente do Conselho Executivo começou por relembrar as fases sequenciais, determinadas ao abrigo da lei:

a) Preenchimento da ficha de auto -avaliação;

b) Preenchimento das fichas de avaliação pelos avaliadores;

c) Conferência e validação das propostas de avaliação com menção qualitativa de Excelente, Muito bom ou de Insuficiente, pela comissão de coordenação da avaliação;

d) Realização da entrevista individual dos avaliadores com o respectivo avaliado;

e) Realização da reunião conjunta dos avaliadores para atribuição da avaliação final.

 

Seguidamente, para os docentes integrados na carreira, propôs a seguinte calendarização:

Em cada ano lectivo:

a)   Definição de indicadores de medida pelo Director até 15 de Setembro;

b)   Marcação, até 15 de Outubro, das aulas a observar pelos avaliadores;

c)   Definição de objectivos individuais até 15 de Outubro;

d)   Possibilidade de reformulação dos objectivos, por iniciativa do avaliado ou do avaliador, até 30 de Outubro;

No final do 2º ano do processo de avaliação:

e)   Processo de recolha da informação até 15 de Junho;

f)     Preenchimento da ficha de auto-avaliação, pelo avaliado, até 15 de Julho;

g)   Preenchimento das fichas de avaliação, pelo avaliador, até 15 de Setembro;

h)   Conferência e validação das propostas de avaliação com a menção qualitativa de Excelente, Muito Bom e Insuficiente, até 20 de Setembro;

i)      Realização da entrevista individual do avaliador com o respectivo avaliado, até 15 de Outubro;

j)      Realização da reunião conjunta dos avaliadores para atribuição da avaliação final até 5 de Novembro.

k)    Comunicação da avaliação final ao avaliado, até 10 de Novembro.

Existe a necessidade de construção dos Instrumentos de Registo inerentes a este processo. Para tal, foi formado um grupo para a sua elaboração, constituído por todos os avaliadores, que reunirá a partir de 15 de Setembro.

2.4.4.1 – Definição dos objectivos e metas a atingir por área curricular para o ano 2008 - 2009

 

Tendo em vista facilitar a definição das metas a atingir, o Presidente do Conselho Executivo relembrou alguns dados do ano lectivo transacto, frisando que os mesmos constituem apenas referenciais, sendo essenciais para a contextualização da definição dos objectivos individuais, Assim:

Sucesso Educativo em 2007 - 2008

 

Níveis de                          Taxa de Sucesso

Educação e Ensino

Taxa de sucesso

esperada (PE)

2007/2008

Taxa de sucesso verificada

Educação Pré Escolar

80% a 85%

88,9%

1º Ciclo de Ensino Básico

93% a 95%

99,5%

2º Ciclo do Ensino Básico

90% a 91%

84%

3º C. do Ensino Básico (7º e 8º anos)

80% a 81%

75%

3º Ciclo do Ensino Básico (9º ano)

76% a 77%

71%

Partindo destes e dos objectivos/metas a atingir definidas no Projecto Educativo para o ano lectivo de 2008 – 2009 e já inseridos na proposta de Plano de Actividades do Agrupamento, cada professor irá definir as suas metas, baseando-se na realidade de cada uma das suas turmas. As mesmas terão que constar nos PCT.

Abandono Escolar

Não se verificou nenhum caso de abandono escolar ao nível do 1º CEB registando-se um caso no 3º Ciclo, o que corresponde a uma taxa de 0,4% dos alunos da E.B. 2/3

E nada mais havendo a tratar, deu-se por encerrada a reunião, da qual se lavrou a presente acta que, depois de lida e aprovada, irá ser assinada nos termos da lei.

 

                        O Secretário:_________________________________________

                        O Presidente:_________________________________________

Vitor - 7/Nov/2008
 
Páginas do dossiê
:: Acta do CP de o4 de Setembro

Vitor

:: Manuais Escolares

Vitor

© Centro de Competência Nónio da Beira Interior 2006 | ccbi.crie@gmail.com

Ministério da Educação Direcção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular CRIE - Equipa de Missão Computadores, Redes e Internet na Escola